domingo, 17 de janeiro de 2010

Sob influência.

   
    Agora de férias, posso ler o que quero. Posso escolher, não preciso anotar e nem dissecar nenhum autor. Posso ler só para ter como companhia – os autores.
    Escolhi: F. Veríssimo, Clarice, Cortázar, Pound e Saramago. Já li Veríssimo, que aliviou a alma – o resultado da leitura são os últimos dois textos. E agora estou lendo Clarice, na realidade, estou lendo as correspondências dela. Um primor, ela era  l-i-n-d-a. Portanto, estou sob influência. Possívelmente, virão textos diferentes por aí. Sou uma plagiadora de estilo. Não da graça, da imponência, porque isso não se plagia, mas copio o assuntão, o clima. O clima! Isso, tento capturar a atmosfera. Então, se aparecer algum texto tendo uma barata como protagonista, é culpa da Clarice.
    No post anterior eu disse que não queria saber de mais ninguém, mas era brincadeirinha. Eu não os troco por nada. E quanto ao nosso querido cantor de "meu-pintinho amerilinho, cabe aqui na minha mão, na minha mão" terá que esperar. Quem sabe da próxima vez?

Bem, acho que nem haverá uma próxima...

6 comentários:

Luna Sanchez disse...

Manda, Maya! Solta esses textos, que a gente quer ler, mulher! ;)

* A-DO-REI "As Pintas de Marylin"! Sucesso de público e crítica. Ehehehehe

Beijos, dois.

ℓυηα

Maya disse...

Luna,

To tentando, to tentando...rs

Tinha que ser um sucesso, né? Se somente a que ela tinha perto da boca já causava um reboliço, imagina assim, no plural?!

beijo,

Dai

Mariah disse...

apoiada...se for para copiar, que seja Clarice, Saramago e outros do mesmo nível né?
sou nova por aqui...

Maya disse...

Mariah,

se eu conseguisse...rs

Que bom que veio, sinta-se muito a vontade, viu?

bjo

Gustavo Micheletti disse...

Poutz, podia jurar que eu tinha escrito algo aqui. Mas vamo lá:

"se aparecere algum texto tendo uma barata com protagonista, é culpa da Clarice"

Mas Daya, não é do Kafka, não?
Bjo

Maya disse...

Gustavo,

E se fosse mesmo do Kafka vc ia me envergonhar em público meeesmo? o.0

Estava me referindo ao livro "Paixão segundo GH" que na verdade não tem uma barata como protagonista mas tem como elemento desencadeador da ação. E na cena onde aparece a barata, eu tenho pra mim, que ela se torna mais protagonista que a própria G.H.

É isso,

Muito metódico vc, Sr. Gustavo...


bjo bjo