sexta-feira, 9 de abril de 2010

Colocando cada amor em sua devida prateleira

Às vezes a gente queria poder colocar todas as coisas no lugar, os pingos nos is, nomear tudo o que sentimos e, sobretudo, o que as pessoas sentem por nós.

Queremos nomear as coisas, porque dando os nomes, encaixamos em um rótulo para ver se assim conseguimos manipular, fica mais fácil tentar encontrar o manual de instruções.

Mas (in)felizmente a vida não é assim, as coisas são imprevisíveis e o máximo que podemos fazer é seguir nossos passos com a maior coerência possível com aquilo que acreditamos.

Pois bem, e porque eu cheguei a essa discussão? Porque achei curioso a distinção feita pelo Lucão. Ele dividiu o amor em três tipos: o Amor Traído, o Amor Adiado e o Amor na Prateleira. E para não ser injusta com ele, quero deixar claro que ele acredita em outras facetas do amor, inclusive a do Amor Doação, mas que até o presente momento ele ainda não escreveu de forma direta, mas se o leitor prestar um bocadinho a mais de atenção vai poder sentir uma nuance dele no Amor de Prateleira, seja como for, qualquer hora surgirá por aí o Amor Doação na íntegra, tenho certeza. Além do mais, esse post tem um Q de lúdico, e eu apenas usarei as lindas imagens do nosso Lucas-Leminsky como pretexto para devanear.



E quantas vezes a gente faz isso mesmo? Se enche de coragem para falar aquilo que sentimos e na hora... pulamos fora? Passamos dias e dias pensando no que sentimos, no que achamos que o outro sente e depois mais horas ensaiando a frase certa para falar, damos aquele suspiro, sorvemos a coragem, seja em forma de conhaque eu estado puro e tchãrãm....nada! Enfiamos a coragem no bolso como trocado e ficamos apenas com a lembrança do gole. E traímos o amor que sentimos.


Não precisa ser perfeito, não é? Moreno, olhos claros, 1,80 de altura, 3 palmos e meio de costas, pernas bem torneadas, barriga definida, sorriso atraente, inteligente, divertido, que saiba ser conveniente, uma belezinha naquelas horas que a gente não pode detalhar antes das 22h e saiba trocar torneiras, lâmpadas, pneus, chuveiros e usar todos os acessórios que vem dentro da maleta de ferramentas. Só isso.

Só isso??? Quanto tempo perdemos projetando o homem dos sonhos quando, as vezes, ele está bem ali te dando oi. Não sei porque a pessoa do nosso Amor adiado não encontrou o ser amado, mas seja como for, se você suspeita que encontrou o seu - não adie.


E depois de ter trocado o amor pelo conhaque, depois de tê-lo dobrado com todo esmero e enfiado no bolso, depois de vendê-lo por coisas mais 'urgentes', a gente percebe nosso erro. E vê que aquela velha máxima 'para colher é preciso plantar' é verdadeira. E mudamos nosso olhar e, em vez de focarmos em nós, direcionamos o olhar para o outro, e aí as coisas começam a dar certo. O amor não quer saber teorias, teoremas, suposições, o amor é pragmático. O amor quer que você o tire da prateleira e o consuma.

Se consuma.


Obs.: Lucas, emprestei, tá?
                                                       \\\     ///

Hoje lá no Céu eu falo sobre três filmes do cinema expressionista alemão, já assistiu algum?

12 comentários:

Marcelo Mayer disse...

o terceiro é simplesmente genial!

Lucão disse...

:)
Ahhh! vc é uma graça, coisa mais doce, Dai!
Que honra e orgulho.
Gostei no sentido mais literal.
Não é fácil amar, mas é a coisa mais gostosa que se tem pra fazer nesse mundo, não é?
Falo do amor tentando jogar a culpa no Eu-lírico, mas sei que não é só dele. Todo mundo tem um amor guardado e pronto pra compartilhar. COmpartilho escrevendo, e amor é issso tb: às vezes é adiado, noutras é o momento certo. Amor tb é coisa errada, mas muito mais as coisas certas que a gente faz.

Vou até parar por aqui, que amor não pára, é sem fim.
Depois dou um beijo nocê em retribuição ao texto que adorei.
:***
beijo, linda. Vc é um doce, já disse.

Eraldo Paulino disse...

Eu amo poesia minimalista, ou frases curtas que conseguem dizer tudo. Lucão é o cara!

Bjs!

Carolina disse...

Nada poderia ter caído melhor que esse texto pra mim hoje.
Só tenho a agradecer...

beijos!
=)

Nara disse...

Ai Dai,
me empresta suas palavras?
Juro que vou usa-las quando estiver de vestido bonito e batom vermelho!

Que post mais lindo *-*

Beijo,
Nara

Raquel de Carvalho disse...

Parabéns pelo post, Dai!!!! Ficou lindo mesmo!!!
Vamos esperar ansiosas pelo Amor Doação! Se o Traído, Adiado e Na prateleira nos encantaram... imagine o que será do Doação!!!
Lucão manda bem mesmo!

Beijos

Erica Ferro disse...

"O amor quer que você o tire da prateleira e o consuma."

Ok, levarei essa lição pro meu dia, rs.
Gostei mesmo!
Já fui no céu, mas quase me cago com o que vi lá. Negócio de vampiro dá medinho em mim. Sou muito frouxa, rs.

Alline disse...

Morro de amor sempre e grito aos céus quando o sentimento me toma, por isso assusto. Ah... deixa pra lá, né? O importante é amar. E eu amo.

Beijo grande pra ti.

Luna Sanchez disse...

Ah, que post delicinha! =)

O Lucão é um amor, talento e simpatia, sensibilidade e braços abertos, pronto pra apertar, né? Também adoro!

Nem me fala em vontade de organizar tudo, Dai...eu acho que tenho esse TOC...ahahaha

* Gostei demais dessa mistureba, viu? Vontade de colocar a Dai, o Lucão e todos os amores no Baú, sacudir e ver no que dá. Rá!

;)

Dois beijos, bom fds!

ℓυηα

Andréa Silveira disse...

Oi! Que lindo o teu blog, obg pelas visitas, vou seguir e voltar sempre! Bjos!

Gabriela Awbooc disse...

Oi? A porta tava aberta e aí eu fui entrando...
HAHA!
Nossa, menina, que coisa mais amor fo essa que você fez? Eu sempre lia os poemas do Lucão caladinha, mas um dia não aguentei: em poucas linhas, esse cara faz o coração da gente quase explodir de tanto sentimento que volta à memória, né?
Parabéns, seu texto tá uma GRAÇA!

Daniel Savio disse...

Amor realmente dificil, pois as vezes tem tudo para dar certo, mas esbarra nas limitações humanas de cada amante...

Fique com Deus, menina Dai.
Um abraço.