terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Relacionamentos

Clique aqui para assistir a um videozinho antigo sobre relacionamentos

   Apesar do título "Como terminar um namoro", o vídeo antes do que expor fórmulas, demonstra como a maioria dos relacionamentos funcionam.
   Depois de assistir, fiquei pensando que é mais ou menos assim que funciona mesmo, mas será que tinha que ser assim? Por que será que as coisas mudam? O que há entre o sorriso no rosto ao pensar que você casará com aquela pessoa até a inquietação se, de fato, você se casará com aquela pessoa?
   Muitos dizem que todas as pessoas tem um certo caminho a trilhar antes de encontrar o chantilly do seu sunday, como algo pré-determinado e que, seja como for, você saberá que este é o seu chatilly quando se deparar com ele. Será?
   O fato é que mal completamos 3 anos (em alguns casos até antes) e começam a ler para nós estórias de contos de fadas, e a princesa fica lá, passiva à espera que seu príncipe a salve.
   Mesmo que algum jovenzinho de um vilarejo qualquer passasse por lá e tentasse salvar a princesa do infortúnio no qual ela estava, a realeza praticamente teria que se levantar e com o dedo em riste dizer: "nananinanão! só aceito um príncipe, você nem loiro é!"
   E lá se vai o homem que, se não tem sangue azul, pelo menos faria ela rir contando qualquer besteira sem importância, a valorizaria, e nunca diria pra ela os defeitos que ela, mesmo se achando princesa, tem. E a princesa sem saber o que acabou de perder, voltaria para o seu sono encantado sem perceber que a felicidade se foi, mesmo sem o cavalo branco.
   Por outro lado, está muito em voga, o that's ok. É que há tantos homens com muito testosterona e pouco cérebro  que o primeiro que consegue encaixar três pecinhas de montar, daquelas de madeira, quadradinhas, que vem na caixinha escrito -3 anos, a mulher já agarra e grita: ESSE AQUI É MEU!
   O pensamento que guia essa categoria de mulher é que 'Não é tuuuudo o que eu queria, mas fazer o quê, né? não existe príncipe encantado". Tudo bem que não exista príncipe encantado, mas também não precisa se contentar com o primeiro manga larga que aparecer.

   Achar o meio termo, o equilíbrio, não exigir perfeição, mas também saber o que te fará feliz, o que você saberá conviver e o que você, definitivamente, não suporta, é o desafio.
   Por enquanto, estou sob esse lema:
   “O Acaso vai me proteger enquanto eu andar distraído”

8 comentários:

Mariah disse...

eu ainda suspiro pelo meu príncipe encantado...todos os dias...depois de 22 anos!
ele não tem sangue azul mas cuidou de mim quando eu tive pedra na vesícula; ele não tem um castelo mas me deu de presente de namoro uma poltrona de leitura maravilhosa; ele não tem família real mas me deu a filha mais linda que alguém pode ter; ele não tem descendência nobre mas diz todo dia que me ama!

Maya disse...

Mariah,

Já que você o encontrou, você tem que fazer um post lá na Casinha e contar para todas nós "como reconhecer o seu príncipe", só quem esse trilhou esse caminho para poder indicar com propriedade como não perder a pessoa da sua vida só porque de repente ele não apareceu com a capa que você esperava.


bjo

Ivan disse...

Esse lance de príncipe e princesa é tão complicadinho, né? Eu acho que gostaria de alguém que sorrisse, que sujasse o pé na terra, que deixasse escapar um pum, que prendesse o cabelo com um lápis, que comesse pão com ovo,que usasse uma camiseta rasgada em casa, e não uma nobre. A nobreza é tão sem graça...

Alguém que te faça rir. Isso muito bom, boca.

Beijo.

Ivan.

Maya disse...

Ivan,

Hoje em dia nem cabe mais falar em príncipe e princesa, né? rs
Mas é pra exemplificar essa coisa de perfeição, o ser ideal...

Se o quesito for quem me faça rir, aí o leque de opções abre bastante, não é?

beijo

Dai

Luna Sanchez disse...

Ah, os engomadinhos, estilo enfeite de bolo nunca me atraíram, sabe, moça?

Idealização só serve para atrapalhar e causar desconforto, cedo ou tarde. Bom, mesmo, é gente de verdade.

* Gostei do vídeo, muito real, infelizmente...rs

Beijo, beijo.

ℓυηα

Maya disse...

Luna,

Partilho da mesma opinião, enfeites servem muito é para decoração, exibir, mas não tem muita função prática mesmo...rs

Você tem razão, idealização só atrapalha, mas no final das contas, existem tantas pessoas artificiais que gente de verdade quase que está virando uma idealização ^^

Achei que o vídeo reflete muita coisa mesmo, mas estou encafifada e não quero que seja assim, que não tenha que ser...

beijo, beijo

Gustavo Micheletti disse...

Ah, Daia, mas não pense que para o homens seja mais fácil. O número de mulheres que está preocupado (poutz, como se faz essa concordância?) apenas com a aparência é tão grande que ou os homens aprendem de uma vez a falar de cosméticos, combinações de roupas e BBBs ou os relacionamentos passarão do oi para a cama direto.
Bem tem sempre as DRs...

Bjo

Carolina disse...

Adorei!!!
Mas é difícil achar o equilíbrio em tudo, não é mesmo? Mas a gente tem que tentar.

Beijos!!